Há algumas semanas fiz aqui uma publicação sobre cursos de curta duração, educação continuada e especialização em disciplinas do digital. E então recebi outras perguntas: qual pós graduação você indica?; em que área você recomendaria que eu fizesse uma pós para trabalhar com… (BI, Digital, Gestão, Planejamento, Marketing etc.)?; você me recomendaria buscar mestrado? Decidi escrever mais uma vez algumas sugestões e indicações para ajudar quem está refletindo sobre a possibilidade de começar uma pós-graduação. Não se trata de um manual, uma regra, não são as únicas opções a considerar no planejamento para escolher uma pós-graduação. Meu objetivo é esclarecer pontos importantes que podem orientar sua decisão e escolha do curso.

Pós-graduação: especialização, MBA e Mestrado e Doutorado

Para início de conversa, vamos entender como estão organizados os cursos de pós-graduação no Brasil. Eles estão divididos entre lato-sensu e stricto-sensu. Cursos lato-sensu são especializações e MBA; enquanto os stricto-sensu são os mestrados, doutorados e pós-doutorados. De acordo com regulamentações do MEC, a pós-graduação lato-sensu requer um mínimo de 360 horas e pode ser oferecida por “instituições de ensino superior já credenciadas que poderão oferecer cursos de especialização na área em que possui competência, experiência e capacidade instalada“. Nessa categoria se enquadram também os cursos de MBA, que, ainda de acordo com o MEC, “nada mais são do que cursos de especialização em nível de pós-graduação na área de administração“.

Ainda que seja também um curso lato-sensu, sempre há muitas dúvidas sobre as diferenças entre um curso de pós-graduação e um MBA. A origem do MBA (Master Business Administration) data do início do século passado, nos Estados Unidos. Harvard Graduate School of Business Administration foi a primeira a oferecer um MBA, cujo objetivo era ser um curso para formar pessoas interessadas em desenvolver habilidades de negócios, de áreas empresariais, incluindo disciplinas como finanças, marketing, estatística, operações, entre outras. Antes desse MBA, em 1881 foi fundada a primeira School of Business, nos Estados Unidos, na The Wharton School, na University of Pennsylvania. Para saber mais sobre a história do MBA veja aqui.

Portanto, um MBA é uma pós-graduação com ênfase em administração e gestão de negócios. Quando for procurar um curso de MBA no Brasil, observe a grade curricular e a ênfase na formação mais voltada para administração e negócios. Se você quer estudar marketing digital e aprender mais de cada disciplina (conteúdo, Ads, métricas, analytics, monitoramento e análise de redes etc.), escolha uma pós-graduação/especialização. Mas se você quer se tornar um gestor da área, escolha um MBA. Em geral, entre outras razões, é por isso que cursos de MBA são recomendados para quem já tem alguma experiência profissional. Nesse exemplo, a pessoa que já conhece as práticas do digital vai buscar no MBA uma perspectiva gerencial para cuidar de planejamento, equipes e resultados de marcas e negócios.

Entendendo esses conceitos até aqui, o que você precisa fazer é decidir entre se especializar em um área, buscar algo mais abrangente ou partir para o mestrado. Nos próximos parágrafos vou falar um pouco sobre cursos nas áreas de comunicação e marketing e como eles se propõem a te ajudar a se desenvolver pessoal e profissionalmente. Não vou mencionar nomes de cursos ou instituições, tampouco posso dizer que conheço todos os cursos oferecidos hoje no Brasil. Minha ideia é tentar mostrar os modelos/formatos dessas formações e então você poderá identificar outros tantos cursos com estruturas e projetos pedagógicos semelhantes Brasil afora para avaliar quais deles estão mais alinhados com seus objetivos.

Pós-graduação/Especialização: Marketing Digital, Comunicação Empresarial, Trade Marketing, Criação, Design, Branding, Big Data etc.

Cursos de pós-graduação nessas áreas vão formar especialistas no assunto. Por exemplo, em uma especialização de Marketing Digital você deve aprender sobre pesquisa em ambientes digitais, métricas de mídias sociais e de plataformas digitais, elaboração e gestão de anúncios na internet, produção de conteúdo, planejamento, entre outras. Em geral, cursos desse tipo são formados por módulos mais práticos, mais mão na massa, para aprender fazendo com cada uma dessas disciplinas. Porém, o tempo para exercer a prática é curto, o que deve exigir que você continue estudando uma ou mais disciplinas pelas quais se interessar mais. E, claro, ainda que você se torne um especialista em marketing digital, você não vai fazer tudo isso ao mesmo tempo no mercado. Cada uma dessas disciplinas, ou duas ou mais combinadas, forma profissionais especializados.

Imagine a mesma situação para uma pós-graduação de Big Data. Nela você vai encontrar disciplinas que abordam conceitos de BD, além de tecnologia da informação, arquitetura da informação, processamento de grandes volumes de dados, big data analytics, gestão de bancos de dados, visualização de dados, programação etc. Claro que o programa de disciplinas pode variar a cada instituição, mas, em geral, você sairá do curso capaz de compreender a aplicação prática das tecnologias necessárias para fazer acontecer análises com big data, dos hardwares aos softwares. Da mesma forma, é possível que você se interesse por uma ou outra disciplina e decida seguir estudando o tema para se tornar ainda mais especializado no assunto.

A questão é que uma especialização/pós-graduação vai capacitar profissionais que precisam de um conhecimento mais abrangente de determinada área. Pode parecer contraditório, mas quando digo que os conhecimentos são mais abrangentes em um curso de especialização é porque você vai aprender diversas e diferentes disciplinas que estão dentro da área em que você escolheu se especializar. Você vai sair do curso conhecendo tudo o que é possível fazer, construir e elaborar com essas diversas disciplinas. Para quem vem de uma graduação de áreas correlatas, esse tipo de curso pode ser um bom caminho para aprender conceitos e aplicações práticas de mercado em uma área específica. Por exemplo, uma pessoa graduada em Jornalismo que faz uma pós-graduação de marketing digital: ela vai complementar o que conhece sobre comunicação com uma perspectiva de marketing e de publicidade aplicada em mídias digitais. Da mesma forma que graduados em Administração, Design, Relações Públicas, Mídia, Rádio e TV também serão capazes de desenvolver essas habilidades que se mostrarão complementares ao que a pessoa já aprendeu na graduação.

Ah, mas e quem vem de uma área de formação completamente diferente? Eu me formei em Ciências Sociais; eu me formei em Educação Física; eu me formei em Letras; eu me formei em Psicologia. Uma pós-graduação/especialização nas áreas de Comunicação e Marketing não seria uma boa escolha? Sempre será, essa decisão deve ser sempre sua e levar em consideração outros aspectos também. No entanto, essa escolha deve
trazer alguns desafios e exigir um pouco mais de você. Por quê? Porque nesses cursos o projeto pedagógico, em geral, busca ênfase nas disciplinas específicas daquela área de Comunicação e Marketing e é pouco provável que você venha a estudar conceitos e questões fundamentais dessas áreas. O que quero dizer com conceitos e questões fundamentais? Voltemos ao exemplo da pós de marketing digital: para entender a função dos anúncios em mídias digitais, realizar um planejamento de campanha ou elaborar uma estratégia de relacionamento através de canais digitais, não há dúvidas de que os conhecimentos básicos e fundamentais de marketing e comunicação precisam ser conhecidos. Quem não aprendeu sobre eles na graduação, vai precisar buscar esse conhecimento em paralelo. O marketing em mídias digitais é o mesmo marketing que conhecemos há tempos, porém, com ações em novas mídias que têm suas particularidades. Um jornalista não estuda marketing (não na maior parte dos cursos de graduação), mas se ele quer se especializar em marketing digital é necessário conhecer a base do que é e como funcionam as estruturas do marketing. O mesmo vale para quem vem de áreas mais distantes da comunicação e marketing para fazer cursos de pós/especialização nessas áreas.

Veja bem, como já disse, isso não é uma regra. Digamos que a pessoa se formou em Letras e tem quase cinco anos de experiência na área de comunicação interna. Provavelmente muita coisa ela aprendeu na prática. Claro que é importante que, assim como alguém que se formou em Educação Física e quer entrar na área, ela conheça os conceitos de marketing, porém, é possível que ela já tenha maior familiaridade, mais engajamento, algumas habilidades já desenvolvidas e consiga lidar melhor com os desafios de buscar compreender os conceitos fundamentais do marketing e da comunicação para aprender sobre marketing digital. Avalie a sua situação e, em caso de dúvidas, converse com o coordenador do curso. Já fui coordenador de pós-graduação e recebia alunos das mais variadas áreas para estudar marketing digital, até uma pessoa formada em Enfermagem já aconteceu uma vez. Outro caminho também muito bom é buscar ex-alunos do curso para conversar e fazer perguntas. Eles são ótimas referências para ajudar você a tomar essa decisão. Geralmente no Linkedin há grupos de ex-alunos de cursos de pós e de instituições brasileiras.

MBA Marketing, Marketing Digital, Business Intelligence, Negócios Digitais

Como já falamos antes nesse texto, a ênfase do MBA é sobre administração e negócios. Mas quão diferentes são as disciplinas de um MBA para um curso de pós/especialização? O MBA tem mais disciplinas de gestão – gestão de pessoas, de recursos, de finanças, de projetos, de operações etc. Imagine um MBA de Business Intelligence, nele você deve aprender sobre todas as áreas e competências com as quais se envolve um gestor de Inteligência de Negócios dentro das organizações. Um gestor é quem toma decisões, é quem participa da elaboração do planejamento de médio/longo prazo, é quem administra o budget das áreas, é quem contribui com a construção do plano de carreira das equipes, é quem cuida de pessoas que cuidam de outras pessoas. Nesse sentido, um curso de MBA é mais indicado para quem já tem certa experiência no mercado, está investindo no desenvolvimento de sua carreira e pretende chegar ao nível de gestor como coordenador, gerente, diretor e daí por diante.

Tenha isso em mente e na hora de avaliar os cursos de MBA pense no quanto eles são adequados aos seus objetivos profissionais. Mas seja sincero consigo mesmo e lembre-se também do quanto você está preparado para dedicar-se a essa formação. Não é uma exclusividade de quem já tem experiência apenas, claro que não. O que quero dizer é que, como qualquer curso de pós-graduação, um MBA também é um investimento de tempo e de dinheiro e, sim, você deve pensar nesse investimento como um esforço para chegar a um nível mais alto da carreira, ao mesmo tempo em que será chamado a assumir mais responsabilidades. Digo isso porque há outras possibilidades na carreira, há pessoas que preferem ser especialistas em vez de gestores. Não é uma regra que para crescer profissionalmente você precise se tornar gestor.

Cursos stricto-sensu: mestrado, doutorado e pós-doutorado

Mestrado e Doutorado

Se você chegou até aqui no texto e não se identificou com os cursos de pós/especialização lato-sensu pode ser porque o que você busca está em cursos como os mestrados acadêmico e profissional ou o doutorado. Quem já fez mestrado, sabe como funcionam os cursos stricto-sensu e qual é o nível de dedicação necessária para produzir uma pesquisa. Assim como deve conhecer também o alcance e os resultados desse tempo dedicado a pesquisa, que são inúmeros (ainda que o governo atual tente desmerecer nossos pesquisadores) para a ciência, para outros pesquisadores, como também para o mercado muitas vezes.

No mestrado você estará dedicado ao desenvolvimento da pesquisa de um tema, trabalhando com as perspectivas de uma linha de pesquisa, sob a supervisão de um professor-orientador. Mais do que isso, você será capaz de aplicar um ou mais métodos de pesquisa para analisar uma hipótese e sairá em campo para coletar dados e, em seguida, apresentar resultados. Há inúmeras vantagens em se investir em um mestrado, entre elas, principalmente um amadurecimento pessoal. O mestrado vai exigir que você busque, conheça e explore outras perspectivas do tema que você está estudando, vai te colocar em contato com tantos outros pesquisadores com experiências singulares em suas jornadas de pesquisa, vai te fazer entender o rigor dos métodos de pesquisa, assim como te apresentar a campos multidisciplinares de estudos.

Vou falar mais em outro post sobre a experiência no mestrado, sobre como aplicar em um processo de seleção, como escolher um curso de mestrado entre os programas de pós-graduação, entender o que é linha de pesquisa e como buscar um professor-orientador que te ajude a executar seu projeto de pesquisa. Por ora, acho importante ressaltar que é cada vez maior o número de inciativas de pessoas e/ou instituições dispostas a contribuir para que mais pessoas sejam aprovadas em mestrados. Para quem tem dúvidas sobre como escrever um projeto, onde e como conseguir acesso à bibliografia dos cursos, como é a prova escrita, entre outras dúvidas, quero destacar as iniciativas do Tarcízio Silva, que junto com outros colaboradores, tem um curso preparatório para quem quer fazer mestrado; da Claudia Pereira, que está oferecendo um workshop para ajudar com essas dúvidas; e ainda do Marcio Gonçalves, que realiza encontros para também orientar pessoas interessadas em saber sobre tudo isso.

Fique à vontade para acrescentar outros pontos de vista, contribuir com sua experiência em cursos de pós, trazer outras dicas e orientações, enfim, esse é um texto aberto e posso editá-lo quanto mais contribuições chegarem. Volto em breve. 😉