Uma das minhas especialidades, e disciplina sobre a qual decidi aprofundar os estudos, é o monitoramento de mídias sociais. Faz pouco mais de cinco anos que comecei a trabalhar com monitoramento, quando ainda estava na Infoglobo (Jornal O Globo), na área de planejamento de marketing, e demos início a algumas ações estratégicas para acompanhamento das menções às marcas da empresa na internet, avaliação da percepção dos leitores e assinantes sobre o jornal, SAC etc.

Desde então, me vi de frente a outros desafios de monitoramento de mídias sociais nas agências em que trabalhei depois da Infoglobo e acabei me interessando bastante pelo tema. O maior deles foi, sem dúvida, fazer parte da equipe que monitorou a Copa da Mundo da Fifa 2014, no Brasil. Foi uma parceria entre a FSB, agência em que eu trabalhava naquela época, e o Labic, coordenado pelo Fábio Malini. Aquela experiência valeu tanto quanto uma especialização na área ou um curso de muitas horas dedicadas ao monitoramento, sendo que fazendo e aprendendo, mão na massa, na prática.

Depois disso passei por outras experiências bem interessantes, ainda na FSB, elaborando o planejamento de monitoramento de algumas marcas atendidas pela agência. E, claro, também pude contribuir no monitoramento do projeto Cidade Olímpica, em 2015, quando estava na Casa Digital. Hoje, através da consultoria, auxilio equipes de comunicação e marketing em agências e empresas que estão começando a fazer monitoramento ou que já o fazem e precisam de ajuda com processos, seleção de softwares, coleta e organização de dados, treinamentos de equipes, relatórios, entre outros. E foi para discutir um pouco sobre essa prática do monitoramento e sobre as perspectivas futuras de mercado na área que o Pedro Meirelles me convidou para compartilhar meu ponto de vista no blog dele, que, aliás, é imperdível para quem trabalha com comunicação e marketing em plataformas digitais e mídias sociais. É leitura obrigatória! O blog se chama Insightee.

Vou deixar aqui o link do post que ele fez sobre monitoramento, em março. Recomendo a leitura principalmente porque você pode ver a perspectiva de profissionais da área que atuam em diferentes partes do país. Você vai entender também que o monitoramento tem muitas oportunidades para oferecer a quem quer se dedicar e aprender, porque o mercado ainda está em fase de maturação e precisa de profissionais qualificados. E o Pedro também indica, ao final do post, uma série de fontes de estudo e desenvolvimento na área para quem quiser aprender mais. Pegue aqui o link e aproveite a leitura! 😉